sexta-feira, novembro 28, 2008

sábado, novembro 22, 2008

Ah, a Byblos!

A prenda de Natal neste ano horrível não poderia deixar de ser, logicamente, menos horrorosa. Indefinidamente, estou tecnicamente desempregado - embora na prática não o esteja (ui, uma situação muito complicada, esta)! Sim, a Byblos fechou mas ninguém recebe mais por isso...
Resta saber o que o futuro nos reserva, a mim e aos meus colegas - alguns deles à beira do desespero e da insanidade. Estou, por contrato, obrigado ao sigilismo (o que também tem algo de estranho em si: lembrei-me daquele ditado: "quem não deve não teme!") e não me é possível discorrer muito mais sobre este assunto, tanto por fadiga como por profunda tristeza. É estranho perceber que estava ligado a este projecto de um modo profundo, que implicava alma e um pouco de coração. É algo consolador saber também que existia tanta gente apaixonada por este projecto, gente essa que sentiu também a perda de algo que tinha pernas para andar e não o fez porque...
É engraçado perceber que fui deixado completamente só, à toa, mais uma vez. E sim, é mesmo demais!
Obrigado a todos os amigos que deram uma palavra de consolo e de auxílio. Há um pedaço de mim que está sempre convosco, pieguices à parte, e que precisa realmente de vós para fazer valer a pena viver.

Até já com abraços