quinta-feira, dezembro 29, 2005

Soltas

Devo-te isto, quanto muito: estás atrasada. Se vieres ainda hoje, não batas com a porta, como é teu jeito. Sei que não fazes por mal, que não estás furiosa com a vida.
Mesmo se ninguém estiver em casa, não batas com a porta. Eu iria sempre senti-lo.
Ao entrares, faz como se estivesses em casa.

----------------------------------------------

Se me encontrares deitado, deita-te a meu lado. Antes, porém, certifica-te de que não tens os pés gelados. Entra com cuidado na minha cama: estou quente e sou frágil. Ou estou frágil e sou quente.

----------------------------------------------

Não te vou querer por me quereres, não é assim. Mas já foi. Não te vou olhar de um modo especial porque me olhas de modo especial. Aprenderei a caminhar a teu lado se chegar a ocasião de caminhar a teu lado. Não para te acompanhar ou seguir. Os passos são como tijolos que se usam para construir algo. Eu só aqui estou a ver as vistas. A ver se olhas para mim.

----------------------------------------------

Quando acordares, não voltes a adormecer. Se adormeceres, não chames por mim.
Saí para comprar café para o teu pequeno-almoço.

----------------------------------------------

Sempre te senti a transbordar de uma arte sensual pelos poros sem saberes. Coisas que nunca percebeste por serem corriqueiras. A forma dos teus dedos ao segurarem uma chávena de café. A muito ténue maneira como a tua língua bate nos dentes da frente, naquilo que chamo "esse doce falar enrolado". O modo como pareces desenhar mentalmente as coisas para que olhas.
E enquanto reparava em tudo isso em ti, tirei um macaco do nariz.

----------------------------------------------

Ontem e Hoje
Ontem vi o gajo na televisão, a ser entrevistado. Hoje falei com ele. Muito simpático. Uma jóia de pessoa.

----------------------------------------------

Acordei hoje às quatro e dez da manhã, sem saber porquê.
Hoje de manhã disseram-me que essa tinha sido a hora do sismo.

6 comentários:

maresia disse...

Acordei há seis meses eram 4h10 da manhã. Disseram-me há seis meses menos umas horas que ela tinha morrido. Não me lembro se tirei macacos do nariz quando mo disseram, mas deu-me uma enorme vontade de cagar...

bloguitz disse...

Ele há gostos e desgostos para tudo, caro/a maresia!

mixtu disse...

lol
2006 em grande, entra com o pé que te der mais jeito
jinhos

Nelita disse...

hoje ja fartinha de tantos bolos ,,desejo te um bom ano novo, se te oferecer um bolo aceita pois e dado c amizade, feliz 2006

Anónimo disse...

"Soltas" recheadas de sensibilidade...
Nada que me surpreenda...
Um delicioso 2006, meu querido.
Mª Cristina
ps- só a preocupação com os pés frios me merece um comentário: poderias disponibilizar-te para aquecê-los...

bloguitz disse...

Obrigado pelos votos, mixtu, nelita e Cristina, que retribuo a dobrar para vocês. Quanto ao aquecimento de pés... não sei se poderei responder a essa questão por aqui. Beijooos