segunda-feira, julho 11, 2005

EuroMilhões!

Vidas!

Nem tudo vai mal nesta nossa República

Com as eleições legislativas de 20/Fevereiro, metade dos 230 deputados não foram eleitos. Os que saíram regressaram às suas anteriores actividades. Sem, contudo saírem tristes ou cabisbaixos. Quando terminam as funções, os deputados e governantes têm o direito, por Lei (deles) a um subsídio que dizem de reintegração:

- um mês de salário (3.449 euros) por cada seis meses de Assembleia ou governo.

Desta maneira um deputado que o tenha sido durante um ano recebe dois salários (6.898 euros). Se o tiver sido durante 10 anos, recebe vinte salários (68.980 euros). Feitas as contas e os deputados que saíram o Erário Público desembolsou mais de 2.500.000 euros.

No entanto, há ainda aqueles que têm direito a subvenções vitalícias ou pensões de reforma (mesmo que não tenham 60 anos). Estas são atribuídas aos titulares de cargos políticos com mais de 12 anos.

Entre os ilustres reformados do Parlamento encontramos figuras como:

- Almeida Santos ............................ 4.400, euros;
- Medeiros Ferreira ......................... 2.800, euros;
- Manuela Aguiar ............................ 2.800, euros;
- Pedro Roseta .............................. 2.800, euros;
- Helena Roseta ............................. 2.800, euros;
- Narana Coissoró ........................... 2.800, euros;
- Álvaro Barreto ............................ 3.500, euros;
-Vieira de Castro ........................... 2.800, euros;
- Leonor Beleza ............................. 2.200, euros;
- Isabel Castro ............................. 2.200, euros;
- José Leitão ............................... 2.400, euros;
- Artur Penedos ............................ 1.800, euros;
- Bagão Félix .............................. 1.800, euros.

Quanto aos ilustres reintegrados, encontramos os seguintes:


- Luís Filipe Pereira ............... 26.890, euros / 9 anos de serviço;
- Sónia Fortuzinhos ............... 62.000, euros / 9 anos e meio de serviço;
- Maria Santos ...................... 62.000, euros /9 anos de Serviço;
- Paulo Pedroso ..................... 48.000, euros /7 anos e meio de serviço;
- David Justino ..................... 38.000, euros /5 anos e meio de serviço;
- Ana Benavente ..................... 62.000, euros/9 anos de
serviço;
- Mª Carmo Romão .................... 62.000, euros /9 anos de
serviço;
- Luís Nobre Guedes .................. 62.000, euros/ 9 anos e meio de
serviço.

A maioria dos outros deputados que não regressaram estiveram lá somente a última legislatura, isto é, 3 anos, o suficiente para terem recebido cerca de 20.000, euros cada.

É assim a nossa República

5 comentários:

beersbilly disse...

agora é que me confundiste, já não sei se estude para ser ministro ou se esbanje o dinheiro que não tenho na raspadinha...

rui coelho disse...

Eleições no CD Belém - Carlos Matos reeleito por quatro votos de diferença


Nunca no historial do Clube Desportivo de Belém aconteceu o que se passou, na noite da passada quinta-feira, na Casa do Povo da Terra-Chã, no âmbito do acto eleitoral para eleger os novos corpos directivos da colectividade para 2005/2006.

Carlos Matos (lista A) foi o vencedor e Rui Coelho (lista B) o vencido, mas apenas por uma diferença mínima de quatro votos. A Assembleia-Geral levou às urnas 203 associados dos azuis e brancos, que deram 102 votos a Matos, 98 a Coelho, para além de dois votos brancos e um nulo.

Todos os caminhos iam dar, na noite da passada quinta-feira e na freguesia da Terra-Chã, à Casa do Povo local, palco da Assembleia-Geral do Clube Desportivo de Belém.

A sufrágio duas listas: a designada ?Lista A? era encabeçada pelo actual presidente da direcção, Carlos Matos; a ?Lista B? apresentava como candidato à liderança azul e branca Rui Coelho.
As urnas abriram às 19h30, altura em que já se vislumbrava uma enorme fila de sócios (qual romaria) para exercerem o seu direito de voto. Dos dois candidatos, primeiro votou Carlos Matos, cerca das 19h55, enquanto que Rui Coelho votou já os ponteiros dos relógios marcavam as 20h30.

Tudo decorria dentro de um civismo extremo, que temos que realçar, com todos os sócios conscientes do que iam fazer, bastando para isso confirmar o resultado da votação.

Voltando um pouco atrás, para referir que ainda antes das urnas abrirem, havia um documento, que era entregue pelo candidato da ?Lista B?, aos associados do Belém que anunciava uma ?impugnação judicial de uma eventual aprovação do Relatório e Contas de Gerência? que constava do ponto dois da Ordem de Trabalhos. Isto porque entendiam os candidatos da lista de Rui Coelho que os sócios não tinham tido o direito, como estatutariamente está consignado, de ?examinar livros, contas e mais documentos referentes ao exercício anterior, dentro do prazo de oito dias que antecedem à realização da Assembleia-Geral?.

Ora, tal desiderato acabou por cair por terra, uma vez que as eleições foram ganhas por Carlos Matos e o Relatório e Contas aprovados por larga maioria.
Voltando ao acto eleitoral, já no seu final, os sócios, já depois das 21h00 (hora encerramento das urnas), não arredaram pé da Casa do Povo para saber qual o resultado final.

Enquanto uns se ruíam de nervoso miudinho, outros expectantes dirigiram-se às traseiras da Casa do Povo e assistiam ao Torneio de Futsal de Verão que ali decorria, até se conhecerem resultados.
Finalmente, e após longos 45 minutos de contagem dos votos, foram anunciados os resultados: Carlos Matos era reeleito, por uma diferença de quatro votos de diferença.

Com autorização legítima para mais um mandato à frente do Clube Desportivo de Belém (e recorde-se que o último mandato foi dos mais polémicos da colectividade da Terra-Chã), os vencedores faziam a festa do contentamento, enquanto que do outro lado da moeda se denotava alguma frustração, mas uma certeza: a de que todos haviam cumprido honesta e dignamente o seu dever.

Contas aprovados
e abraços apertados

Seguiu-se, então, a votação do Relatório e Contas de Gestão. Mais uma vez a vitória sorriu a Carlos Matos, depois de há quinze dias atrás terem sido levantadas muitas dúvidas relativamente aos documentos em apreço, uma vez que os mesmos foram aprovados por larga maioria.

No encerramento, Carlos Matos e Rui Coelho abraçaram-se longamente, demonstrando que o fervor clubístico de cada um foi patenteado em prol da colectividade, que com este acto eleitoral e esta concorrência saudável, deu muitas dores de cabeças a ambos os candidatos, mas que o clube está bem de vida, pelo menos, a julgar pelo aumento, para quase o dobro, do número de sócios e pela afluência dos mesmos à Assembleia-Geral.

Para a história, mais do que os factos relatados, fica também uma campanha eleitoral, com episódios diversos, alguns menos felizes, mas que levou a um final feliz. Quando assim é, resta só apresentar os parabéns, quer aos vencedores, quer aos vencidos.

Os renovados dirigentes

Os votos é que contam e bastaram quatro para fazer a diferença. Desta forma os novos corpos sociais do Belém, apresentados no âmbito da ?lista A?, são os seguintes: António Marques (presidente Assembleia-Geral), Álvaro Piedade (vice presidente) e Jorge Costa (secretário da mesa); Eduardo Jarroca (presidente Conselho Fiscal), Hildeberto Monteiro (vice presidente) e Joaquim Fraga (secretário); Carlos Matos (presidente da Direcção), José Marques (vice presidente), José Bettencourt (tesoureiro), Luís Leal, Virgílio Almeida, José Pereira e Luís Domingos (vogais da direcção) e os suplentes são António Santos Silva e Francisco Camilo.



Opiniões

Victor Alves

O presidente da mesa da Assembleia-Geral do Clube Desportivo Belém, no final da reunião magna do clube azul e branco, falava em ?lição de civismo?. ?Foi um acto eleitoral muito renhido, com uma grande afluência às urnas e, na minha opinião, esta grande mobilização de associados ficou-se a dever aos dois excelentes projectos apresentados pelas duas listas candidatas a sufrágio?, referiu o responsável máximo pelo Belém, que se despediu também das funções que desempenhou nos últimos meses.

Carlos Matos

O reeleito presidente da colectividade da Terra-Chã, por seu lado, e com muita felicidade à mistura, afirmava que se havia mostrado que ?o Belém é um clube que poderá servir de exemplo a outros grandes emblemas dos Açores, pois os nossos sócios provaram que estão com o clube e que esta eleição ficará para a história?.

O vencedor acrescentou, ainda, ?uma felicitação a Rui Coelho pelo projecto apresentado pela sua lista e, desde já, anúncio que penso convidá-lo para quando apresentar o meu plano de actividades, pois julgo que todos unidos faremos do Belém um clube cada vez maior e melhor?.

Rui Coelho

Depois de muito trabalho de casa, nos últimos meses, Rui Coelho estava triste, mas satisfeito. Isto é, explicou à nossa reportagem, ?foi um acto eleitoral digno e sério e o resultado eleitoral é a prova de que existiu uma grande mobilização à volta de toda esta estrutura?.

?A vida do clube vai seguir normalmente e consoante o plano traçado pela direcção eleita, resta esperar para ver o trabalho feito e o Clube Desportivo de Belém a crescer?, finalizou o candidato derrotado.

rui coelho disse...

D, gostava de te mostrar isto mas não sei postar, yo

29-03-2005
XX Torneio Fernando Ferreira - Cadetes masculinos

O Clube Desportivo da Póvoa foi o 3º classificado do XX Torneio Fernando Ferreira - Cadetes Masculinos, realizado na Póvoa de Varzim, no último fim-de-semana. O Queluz sagrou-se vencedor do Torneio pela segunda vez igualando assim o número de vitórias do C.D.Póvoa e Algés. A lista de vencedores das anteriores edições engloba ainda o Benfica - 7 triunfos, F. C. Porto - 5, Vasco da Gama e Desportivo de Leça - 1 cada.
Através da votação dos treinadores das equipas participantes o base da A. D. Sanjoanense, Hélder Santiago, foi considerado o Melhor Jogador do Torneio, recebendo assim a Taça Zé Mi.
Uma referência para o jogador do C.D. Póvoa Rui Coelho que voltou a ser o melhor marcador (havia conquistado o prémio no ano anterior) e também melhor ressaltador do Torneio.
Por escolha dos árbitros presentes, a Selecção Distrital de Iniciados da A.B.P., da qual fizeram parte 2 jogadores do Desportivo - José Miguel e Jorge Ramos, conquistou o "Prémio Fair Play".

Resultados:
CDP X A.B.P. - 82 x 63
SANJOANENSE X QUELUZ - 66 x 68
CDP X SANJOANENSE - 55 X 75
QUELUZ X ABP - 100 X 50
A.B.P. X SANJOANENSE - 47 X 81
CDP X QUELUZ - 65 X 87

Classificação
CL. CLUBE V D P
1º QUELUZ 3 0 6
2º SANJOANENSE 2 1 5
3º CDP 1 2 4
4º ABP 0 3 3

Taça Disciplina ? ?Prémio Fair Play? - A.B.P.
Prémios individuais:
? Vencedor do ?Concurso de Lances Livres? ? Ricardo Faria (ABP)
? Melhor marcador ? Rui Coelho (CDP)
? Melhor ressaltador ? Rui Coelho (CDP)
? Melhor jogador do Torneio ? MVP ? Taça Zé Mi ? Hélder Santiago (Sanjoanense)

A secção de basquetebol do CDP agradece o apoio e o patrocínio das seguintes entidades e empresas que viabilizaram o XX Torneio Fernando Ferreira:

rui coelho disse...

506. A peste. Eduardo d'Orey, ed. Sara Martins, graphics ed. Armando Escovar, vigilante. Numero 1 (Lisbon?): n.pr., n.d. (ca. 2000?; not after May 2001). Folio (29.7 x 20.8 cm.), orig. illus. wrps. 34 pp., numerous illus. ISBN: none. Numero 1 $15.00

Described as "A revista de menor circulação em Portugal e arredores." Artes and ideas by Filipe Goulão, José Sereno, Luís Pedro Bacharel, Eduardo d'Orey, Carlos Farinha, Paula Seixas, Délio Nunes, Vasco Lourenço, Rita, and Lúcio Ferro. "A peste é uma publicação apolítica, areligiosa e sobretudo amoral."

O Blog da Balta,Bá! disse...

Esse tal (surpreendente) Rui Coelho candidatava-se mesmo para que categoria?